Utilização do EDI (Early Development Instrument)

O EDI foi criado pelo Offord Centre for Child Studies, ligado à Universidade McMaster, de Ontario, Canadá. A FMCSV em parceira com o Programa Infância Melhor (PIM) e o Offord Centre promoveu a validação do EDI à realidade brasileira.

O instrumento foi aplicado, em 2011, em 5784 crianças de cinco anos que frequentam pré-escolas de 4 municípios e da Cidade Ademar, na Região Metropolitana de São Paulo para avaliar aspectos do desenvolvimento infantil no final da primeira infância.

Esse estudo servirá como linha de base para ser comparada com uma próxima aplicação, a ser feita

em 2015, que vai avaliar o impacto do Programa Primeiríssima Infância.

O levantamento das informações é feito por meio do preenchimento por educadores de questionários que contemplam 120 itens, tomando como base sua observação do comportamento de seus alunos em cinco domínios do desenvolvimento infantil:

1) Bem-estar físico;
2) Competência social;
3) Maturidade emocional;
4) linguagem e habilidades cognitivas;
5) Habilidades de comunicação e conhecimentos gerais.

O EDI busca identificar em que medida a família e a comunidade conseguiram estimular o desenvolvimento das suas crianças até o ingresso na escola, além de indicar seu grau de preparo para conviver e usufruir do ambiente escolar.

O EDI não é usado como avaliação individual de uma criança, mas sim como diagnóstico populacional e para tanto deve ser aplicado em todas as crianças de uma determinada comunidade.

No mapa abaixo é possível visualizar alguns dos resultados da aplicação do EDI em cinco projetos parceiros da FMCSV.